Dom Casmurro

Dom Casmurro

Capítulo Primeiro

Do Título. Uma noite destas, vindo da cidade para o Engenho Novo, encontrei no trem da Central um rapaz aqui do bairro, que eu conheço de vista e de chapéu….

Capítulo II

Do Livro. Agora que expliquei o título, passo a escrever o livro. Antes disso, porém, digamos os motivos que me põem a pena na mão. Vivo só, com um criado….

Capítulo III

A Denúncia. Ia a entrar na sala de visitas, quando ouvi proferir o meu nome e escondi-me atrás da porta. A casa era a da rua de Mata-cavalos, o mês…

Capítulo IV

Um Dever Amaríssimo! José Dias amava os superlativos. Era um modo de dar feição monumental àsidéias; não as havendo, servia a prolongar as frases. Levantou-se para ir buscar o gamão,…

Capítulo V

O Agregado. Nem sempre ia naquele passo vagaroso e rígido. Também se descompunha emacionados, era muita vez rápido e lépido nos movimentos, tão natural nesta como naquela maneira. Outrossim, ria…

Capítulo VI

Tio Cosme. Tio Cosme vivia com minha mãe, desde que ela enviuvou. Já então era viúvo,como prima Justina; era a casa dos três viúvos. A fortuna troca muita vez as…

Capítulo VII

D. Glória. Minha mãe era boa criatura. Quando lhe morreu o marido, Pedro de Albuquerque Santiago, contava trinta e um anos de idade, e podia voltar para Itaguaí. Não quis;…

Capítulo VIII

É Tempo. Mas é tempo de tornar àquela tarde de novembro, uma tarde clara e fresca, sossegada como a nossa casa e o trecho da rua em que morávamos. Verdadeiramente…

Capítulo IX

A Ópera. Já não tinha voz, mas teimava em dizer que a tinha. “O desuso é que me faz mal”, acrescentava. Sempre que uma companhia nova chegava da Europa, ia…

Capítulo X

Aceito a Teoria. Que é demasiada metafísica para um só tenor, não há dúvida; mas a perda da voz explica tudo, e há filósofos que são, em resumo, tenores desempregados….

Capítulo XI

A Promessa. Tão depressa vi desaparecer o agregado no corredor, deixei o esconderijo, e corri à varanda do fundo. Não quis saber de lágrimas nem da causa que as fazia…

Capítulo XII

Na Varanda. Parei na varanda; ia tonto, atordoado, as pernas bambas, o coração parecendo querer sair-me pela boca fora. Não me atrevia a descer à chácara, e passar ao quintal…

Capítulo XIII

Capitu. De repente, ouvi bradar uma voz de dentro da casa ao pé: — Capitu!E no quintal:— Mamãe!E outra vez na casa:— Vem cá! Não me pude ter. As pernas…

Capítulo XIV

A Inscrição. Tudo o que contei no fim do outro capítulo foi obra de um instante. O que se lhe seguiu foi ainda mais rápido. Dei um pulo, e antes…

Capítulo XV

Outra Voz Repentina. Outra voz repentina, mas desta vez uma voz de homem: — Vocês estão jogando o siso? Era o pai de Capitu, que estava à porta dos fundos,…

Capítulo XVI

O Administrador Interino. Pádua era empregado em repartição dependente do ministério da guerra. Não ganhava muito, mas a mulher gastava pouco, e a vida era barata. Demais, a casa em…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *